Essencia de Mulher

Um blog para mulheres e homens de mente aberta

quinta-feira, junho 15, 2006

Viagens...



" Que viaje à roda do seu quarto quem está à beira dos Alpes, de Inverno, em Turim, que é quase tão frio como Sampetersburgo- entende-se. Mas com este clima, com este ar que Deus nos deu, onde a laranjeira cresce na horta, e o mato é de murta, o próprio Xavier de Maistre, que aqui escrevesse, ao menos ia até ao quintal. Eu muitas vezes, nestas sufocadas noites de Estio, viajo até à minha janela para ver uma nesguita de Tejo que está no fim da rua, e me enganar com uns verdes de àrvores que ali vegetam sua laboriosa infância nos entulhos do Cais do Sodré. E nunca escrevi estas minhas viagens nem as suas impressões, pois tinham muito que ver! Foi sempre ambiciosa a minha pena: pobre e soberba, quer assunto mais largo. Pois hei-de dar-lho. Vou nada menos que a Santarém: e protesto que de quanto vir e ouvir, de quanto eu pensar e sentir se há-de fazer crónica."

Almeida Garrett in "Viagens na minha terra"

Como as coisas são... fiz várias tentivas para ler este livro e nunca consegui lê-lo até ao fim. Talvez porque me foi imposta a sua leitura na escola e não tivesse ainda maturidade suficiente para o entender. Ao pensar neste meu "cantinho" ocorreu-me vagamente o início do livro do qual aqui transcrevi um pequenino excerto. As memórias que vamos buscar... Pensamos que certas coisas nos passaram ao lado e aqui estou eu a debruçar-me sobre um livro que foi o meu "terror" na época. Neste meu tempo de ausência, fiz algumas viagens à roda do meu quarto, mesmo estando o tempo bom ou mau. Também fiz viagens à minha janela, ao meu jardim... Essas viagens para mim "tinham muito que ver". Mas a minha "pena quer assunto mais largo". Não vou a Santarém, nem fui, mas tentei ir a um local onde só eu posso ir e mais ninguém. Não que o queira só para mim mas de momento alguns acessos ainda estão por desbravar e são-me desconhecidos. O nome desse sítio podia ser: EuMulher, mas pode ser também, o meu EU, o meu Interior... o que lhe quiserem chamar. A viagem foi um tanto ou quanto penosa. Encontrei muito "guardiões" que me fizeram uma série de exigências, algumas ainda não cumpri, então ficaram vários sítio por visitar. Conclusão: acho que a fase da Metamorfose ainda não acabou, não adianta tirar a borboleta do casulo antes do tempo. Seria um risco muito grande. Ela poderia nunca mais conseguir voar. Há que ter paciência. Mas em todas as viagens muito se aprende. Deixei para trás algumas coisas que não preciso e que me pesavam muito na "bagagem", já me estavam a fazer muito mal, e trouxe outras para experimentar. "E protesto que de quanto vir e ouvir, de quanto eu pensar e sentir se há-de fazer crónica." Atenção! Não sou nenhum Garrett, mas vou escrevendo por aqui um pouco sobre o meu pensar e sentir.

Tenho de arranjar um tempinho para fazer por aí umas visitas... já tenho saudades. Vou de certo encontrar muito para ler... Vou fazendo aos poucos!

12 Comments:

At 6:37 da tarde, Blogger greentea said...

todos temos as nossas crises , a nossa evolução , os nossos momentos para estarmos sós connosco, o que faz muito bem...
dos casulos vamos saindo e vamos voando à medida que aprendemos....

qt ao outro assunto, que me trouxe aqui, é o Simão.
Segundo percebi i dono está muito doente e por vezes o cão nem vai à rua; não sei qtos anos tem mas acho que podes contactar directamente o blog.
Conheço o travessias desde que tenho blog e tem sido sempre impecável mas ultimamente tenh-o achado estranho e não sabia o motivo - ontem à noite vi o post.

eu apenas poderia guardar aqui o cão por algum tempo e dentro do canil, mas ele está habituado dentro de casa e em casa tenho eu o meu que está muito stressado com a morte de dois outros no ano passado. Além de que eu vou muito para fora e agora não tenho quem me venha tratar deles

Fala com ele para ver pois acho q é urgente arranjar uma solução - para ele e para o Simão.

 
At 8:28 da tarde, Blogger a lice said...

Bem-vinda, de novo!:)

Beijinhos.

 
At 10:36 da tarde, Blogger Isa said...

Que boa surpresa! Ca temos uma mulher "mais leve", pronta para encher este lugar de palavras e imagens maravilhosas!

Bjs linda.

 
At 11:30 da tarde, Blogger amigona said...

Passei por aqui... vou voltar...

 
At 12:36 da tarde, Blogger Oficinas Ranha said...

Por acaso apareci aqui, a espreitar o teu diário publico. Gostei da análise sobre o crescimento interior, a procura o sentir, e achei interessante que não tenhas gostado do livro a q dedicaste o post. Eu, na altura, gostei do romance, da história que adornava o livro, muito pouco da análise e do estilo de escrita, mas já lá vão uns bons anos e aguçaste-me a vontade de o ir ler novamente.
Gostei de espreitar o teu blog,prometo voltar e convido-te a visitares o nosso (meu e da minha irmã).
Beijinhos da Ana Cristina

 
At 3:57 da tarde, Blogger Tom, um ser diferente... said...

Outro dia eu estava arrumando umas gavetas e encontrei um livro de minha época de escola. Foi uma delícia re-ler e folear as páginas já um pouco amareladas e ver as anotações que eu fazia naquela época.
Beijos e bom fim de semana!

Tom

 
At 1:06 da manhã, Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba said...

Vim te agradecer pelas palavras e responder tua curiosidade. Sou artista plástica - escultora - e também trabalho com imagens. Faço produção, direção e captação para projetos culturais e a fotografia é uma das minhas paixões, por possuir o talento natural da comunicação em brevíssimas palavras, coisa que nem sempre sou capaz de sintetizar e realizar. Além disso, sou dos extremos. Sou dos momentos e por vezes gosto que a imagem fale por mim, mas isso não me impede de que em outros, eu me coloque a palavrear feito enxurradas... Fotografei e fotografo muito, mas atualmente não estou podendo fazer isso como gostaria e podia, em razão de minha visão debilitada. Tenho de realizar uma cirurgia para implante, mas tenho outras pessoas que fazem isso. Quem fotografa hoje para mim, é meu filho e eu dirijo a ele minhas intenções. No entanto, como eu trabalho com essas ferramentas, também recebo muito material fotográfico, de amigos e tenho um amigo em especial que me presenteia com muitas coisas e tanto, que tenho um endereço eletrônico somente para ele, que me envia fotos sempre excelentes e o faz assim, aleatóriamente. Eu guardo tudo nesse endereço e depois junto o que considero servir de ganchos para minhas intenções. Nem sempre elas pertencem a uma mesma série ou lugar, mas juntas, passam a fazer parte de um mesmo cenário. Muitas tenho com seus autores e outras não, por já as ter recebido dessa forma. Lamento quando não sei o autor, mas não me aproprio do que não é meu. Eu apenas exponho e o fa;co pela idéia central e não deixo de fazê-lo, por serem mesmo magníficas e por saber que arte só existe se estiver exposta. Por vezes, em uma série, cito apenas uma pessoa, por ser ela a que eu tenho conhecimento e das demais não. Além disso, acredito que as imagens fotográficas por vezes geram mais efeitos do que as imagens naturais... Por incrível que isso possa parecer, mas é fato. Como também sou uma aficcionada pelo belo, tento passar a idéia do conteúdo e que beleza há sempre em tudo. Basta que saibamos olhar... Não existe o feio. Existe o mal interpretado, o ignorado, o desprezado, o excluído, o abandonado... Tudo, dependendo do modo como dirigimos nosso olhar, pode ser lindo e a natureza está aí para provar.

Espero ter me feito entender e saiba que gosto de tuas visitas.

Beijinhos e um lindo final de semana!!!

Cris

 
At 8:32 da manhã, Blogger DJ said...

As viagens feitas ao nosso interior, as viagens feitas até ao nosso limite, ao nosso mais profundo, creio que são mais arriscadas do que qualquer viagem aos Pirinéus, aos Himalaias, ao fundo do mar cheio de tubarões. É um risco grande, mas se é ganho... Parabéns! Que isso te tenha possibilitado voar.

 
At 9:52 da manhã, Blogger LuzHarmonia said...

Fiquei feliz por te saber de volta.
O nosso EU interior... é tão importante fazermos essas viagens.
Obrigada pelas tuas palavras e bom regresso.
Beijos de Luz

 
At 10:18 da tarde, Blogger greentea said...

resolveste alguma coisa relativamente ao Simão, o caniche q o dono está doente?

O travessias está a perguntar-me e no meio de toda a gente que respondeu ao post , não aparece ninguém e ele está aflito...
Desculpa estar a insistir.

 
At 2:04 da tarde, Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba said...

Vim te agradecer por tuas visitas e me desculpar pela minha ausência, mas aida estou sem meu computador, coisa que finalmente conseguirei resolver por esses dias, pois somente agora foi possível detectar a falha e eu não podia correr o risco de perder tudo que há armazenada lá. Pra gravar em CDs, seria necessário mais de 4 mil deles e um tempo para a gravação, que eu não disponho. Por essa razão apareço pouco para as visitas comentadas, mas leio. Isso faço com prazer!!!

Beijinhos!!!
Cris

 
At 4:45 da tarde, Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba said...

Se desejares ver meu lado destemperado e excessivo, visite o post anterior ao do degelo das calotas, onde tu deixaste teu último comentário. Lá deixei um texto para uma pessoa muitíssimo diferente de ti, felizmente, mas como não deixo nada nessa vida, passar em branco, lá está a minha resposta.


Te agradeço imensamente pelas palavras gentis e sensibilizadas.
Quanto as tuas fotografias e se posso aqui te deixar umas dicas, não te ocupes com a técnica fotográfica no sentido do manuseio do teu equipamento. Inicie tua investida apenas te permitindo olhar... Digo olhar no sentido mais profundo desse verbo por vezes tão mal empregado. Veja, observe e tente colocar tua visão natural, permeada dos sentimentos gerados pelo momento, dentro do pequenino visor...

É assim que se começa... Olhando. Sentindo. Experimentando. O erro não existe para quem se determina a acertar. Basta querer. É só tentar!!! O resto, se agregará naturalmente. É fazendo que se aprende. Compre uma pequena máquina digital e com ela não correrás riscos de perdas em investimento de películas. Já fotografei muito mesmo, mas hoje faço pouco disso em função de minha pouca visão, mas não perdi a percepção. O que perdi, foi a capacidade para os detalhes, mas como treino, posso imaginar e isso também me faz viajar.

Não é um bicho de sete cabeças, para quem possui sensibilidade e isso, me parece que tens de sobra. Meu filho começou a brincar de fotografar, aos cinco anos e com essa idade, ele já revelava. Passava horas comigo no laboratório. Hoje é ele quem fotografa para mim, quando preciso ou estamos desenvolvendo algum trabalho e mesmo quando estamos viajando por interesses bem pessoais. Fotografar é terapêutico, além de documentar os momentos. É acervo de vida.

Te agradeço mesmo pelas palavras gentis e espero retribuir a altura. Afinal, o mundo é feito de trocas. Horas boas, hora más e tu és sem dúvidas, uma das boas!!!

Beijinhos!!!
Cris

 

Enviar um comentário

<< Home