Essencia de Mulher

Um blog para mulheres e homens de mente aberta

terça-feira, outubro 03, 2006

Filhos... mães... mães... filhos...



Ontem, numa conversa com uma mãe que defendia quase cegamente o seu filho, acusando até outras pessoas que lhe são queridas, não levantando sequer o benefício da dúvida em certas coisas e utilzando muito expressões como "eu fiz.." levou-me a pensar que possivelmente algumas mães defendem os seus filhos, não só por amor maternal, mas também com medo de serem acusadas de terem desempenhado mal o seu papel enquanto mães. É como um sentimento de culpa que as invade. No fundo, isso nem deveria existir porque fazemos por um filho o melhor que sabemos e que está ao nosso alcance, mesmo que esteja muito longe da perfeição, que por si só não existe. Qualquer mãe pode virar uma loba para defender as suas "crias", estando elas em perigo. Mas reconhecer que os filhos não são perfeitos. que têm a sua maneira de ser, ajuda-los a serem melhores, encaminha-los para a vida, reconhecer e faze-los reconhecer os seus erros e limtações, respeita-los enquanto seres humanos é um acto de amor. Aí há uns 10 anos atrás, a minha filha teve um problema psicológico. Acabei por descobrir que estava relacionado com emoções que captou de mim durante a minha gravidez dela. Foi uma gravidez toda passada durante a doença e fase terminal do meu pai. Tentei proteger a minha filha mas nao foi possivel protegê-la de tudo. Nesse problema dela, lembro-me de ter sido acusada pela educação que lhe vinha a dar e os sentimentos de culpa tomaram conta de mim. A sociedade, hoje em dia, ainda aponta a dedo os pais como sendo os únicos responsáveis pela formação de uma criança. Para mim as coisas não são assim tão simples. Por vezes também é fácil apontarmos o dedo aos nossos pais como culpados de muita coisa que não gostamos em nós e acomodarmo-nos. Eu sou da opinião que qualquer um pode mudar o que quiser e quando quiser. Apesar de não ser tarefa fácil. Fui aprendendo que a culpa não faz muito sentido. Tudo o que sempre fiz pelos meus filhos foi por amor e pensando no bem deles. Sempre fiz o melhor que sabia. Hoje tenho a noção que muita coisa faria de forma diferente, mas as coisas foram como tinham de ser naquela altura. Desde ontem fiquei realmente a pensar: Será que às vezes não defendemos os filhos cegamente para minimizar alguns dos nossos sentimentos de culpa em relação ao que poderiamos ter feito e não fizemos? A vida vai-nos ensinando muita coisa, mas aquilo a que vamos tendo acesso é aquilo que precisamos em determinadas alturas. Não somos obrigados a mais! Que bom seria saber o que sei hoje e poder voltar atrás. Mas, possivelmente, não teria estes meus filhos que amo muito, teria outros! Aprendi com eles, eles aprenderam comigo... é assim a vida!

6 Comments:

At 6:52 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Em tudo o que fizemos na vida, é sempre fácil sentir que poderíamos ter feito melhor, ou diferente, pois só se tivessemos hipóeteses de testar é que poderíamos garantir se de facto conduziria a resultados melhores.

O importante é, como referiste, ter a consciência de que fizeste o teu melhor.

 
At 8:49 da tarde, Blogger EuMulher said...

Posso ter consciência de que fiz o melhor naquela altura. Possivelmente porque muita coisa estava por aprender, e que fui aprendendo, por isso hoje posso dizer que mudava algumas coisas.Aprendi muitas lições. Posso aplica las a outras circunstâncias.Agora há que andar para a frente com o que sei, ir dando o melhor e ter abertura para novas aprendizagens.

 
At 5:02 da tarde, Blogger DiAngellis said...

you live, you learn... :)

 
At 12:49 da manhã, Blogger António Rosa said...

Este é um convite que estou a deixar nos blogues, para se fazer um simples exercício de visualização criativa,a favor da cadelinha Bonny, que tem um carcinoma mamário.

É simples, demora 3 minutos e está explicado no meu blogue "Postais da Novalis".

É compaixão.

Agradecido,

António Rosa

 
At 12:28 da tarde, Blogger EuMulher said...

antonio rosa, podes contar com a minha colaboração com tudo o que me foi dado a conhecer e está ao meu alcance. Beijinhos

 
At 11:08 da tarde, Anonymous Borboleta said...

Muitas pessoas estão cegas, quando não enchergam os "defeitos" de quem nos é querido. Talvez o façam por carinho, porque o "amor é cego" ou quiçá por outro motivo qualquer. Quando te"culpabilizarem" desses seus "hipotéticos defeitos", jamais te preocupes. Sabes porquê?! È que quando essa pessoa se olha ao espelho pela manhã, a imagem reflectida neste, é a dela e não a tua. Só por isto, jamais te arrependas do que fizeste, podes sim fazê-lo mas apenas pelo que não chegaste a fazer. Penso que todos nós ao fazermos algo estamos convencidos de que estamos a fazer o melhor que sabemos, ou que nos foi exemplificado.Ama sempre o teu marido e os teus filhos como a ti mesmo, se isso te faz sentir bem. Se lhe perguntarem se são amados eles dirão na hora que sim.... e muitas das pessoas que nos cercam não poderão afirmá-lo. O amor quase está em extinsão, pelo menos da forma que é visto por nós. Ès uma grande mulher.Acredita nisso.
Bj

 

Enviar um comentário

<< Home