Essencia de Mulher

Um blog para mulheres e homens de mente aberta

quarta-feira, novembro 29, 2006

Sobre o Amor...



" Diz o mestre: todos nós precisamos de amor. O amor faz parte da natureza humana- tanto quanto comer, beber, e dormir. Muitas vezes sentamos diante de um belo pôr-do-sol, completamente sós, e pensamos: "Nada disto tem importância, porque não posso compartilhar toda esta beleza com alguém." Nestes momentos, vale apena perguntar: quantas vezes nos pediram amor, e nós simplesmente viramos o rosto para o outro lado? Quantas vezes tivemos medo de nos aproximar de alguém, e dizer, com todas as letras, que estávamos apaixonados? Cuidado com a solidão. Ela vicia tanto quanto as drogas mais perigosas. Se o pôr-do-sol parece não ter mais sentido para você, seja humilde, e parta em busca de amor. Saiba que- assim como outros bens espirituais-, quanto mais estiver disposto a dar, mais você receberá em troca."

in MAKTUB, Paulo Coelho

Sem dúvida que precisamos de Amor. Penso que o Amor é a base de toda a nossa existência. Umas vezes podemos estar mais receptivos a recebê-lo e outras menos. Umas vezes reconhecemos o Amor, que se manifesta de várias maneiras, outras vezes ele simplesmente nos passa ao lado. Já recusámos dar Amor, mas não vos aconteceu também já o ter pedido e virarem-vos o rosto? Declararmo-nos a alguém e essa pessoa não estar em sintonia connosco? Isso leva-me a pensar, que se sentimos a falta de Amor nas nossas vidas, não se deve ao facto de sermos pouco humildes em pedir esse Amor, mas talvez, não estejamos preparados para o receber porque existe um tipo de Amor que por vezes esquecemos e que abre portas : o Amor-próprio. Talvez, quando existe essa falta em nós é-nos mostrada através da recusa de outras pessoas. Talvez, não tenhamos o nosso "campo" preparado para receber. Realmente como podemos dar Amor se acima de tudo não nos amamos? Como dar o que não temos? Não é uma forma de egoismo pensarmos em nós primeiro, mas uma realidade. Há que cultivar esse Amor próprio senão, penso, que nunca estaremos satisfeitos com o que outras pessoas têm para nos dar. O vazio continuará dentro de nós. Ficamos à espera que os outros nos preencham, quando essa tarefa só a nós diz respeito. No fundo não cultivando o Amor próprio estamos em busca da solidão. Para mim a verdadeira solidão é quando não conseguimos estar connosco. Quando a nossa companhia não nos diz nada. É um desespero quando a sentimos e criamos a ilusão que a responsabilidade está nas pessoas que nos rodeiam. Acusei pessoas de não me amarem, acusei pessoas de me deixarem entregue à solidão... e no fundo esqueci-me de olhar para dentro de mim e procurar a solução no lugar mais óbvio.

4 Comments:

At 3:00 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Gosteiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!!!!!!!!!!!!! Primeiro eu, depois eu, e a seguir nós, porque eu estou no meio.
Onde é que eu já ouvi isto.!?
Acho que bebi toda a mensagem. A lição também serviu para mim, tanto hoje quanto em outro(s)dia(s)
Vamos todos colocar-nos em frente ao espelho, e perguntar a quem está do outro lado. Se gosta do que vê, do que sente. Se a resposta for afirmativa, estaremos no caminho certo. Se o outro não responder ou a resposta for negativa. Toca a levantar a cabeça, olhar o Sol e seguir em frente. Devagar se vai ao longe.
Mergulha no mar gelado, para que o arrepio que sintas te faça acordar e saltar para a FRENTE. FORÇA!
Espero estar por perto para te ver Singrar.... Espero lembrar sempre a partir de agora, Eu, Eu e depois nós, porque continuo no meio...
Um beijo

 
At 7:09 da tarde, Anonymous Borboleta said...

Bonito o que acabo de ler. Será que é assim mesmo? Devemos ser assim? É plausível!? Não nos poderão chamar egoístas se assim agirmos? Amor é uma entrega, é reciproco.Dá e terás. Muitas vezes amamos e não somos correspondidos, outras somos nós que também não amamos, poderemos apenas estar "viciados", ou quiçá o termo propriedade também se possa colocar. Amar também é dor, amar é sofrer com o outro.Amar também pode ser deficiência não?! Afinal o amor é cego?! Temos de ter cuidado agora o Socrates até vai retirar uns quantos "previlégios" aos deficientes. Talvez aos "invisuais" (já que falamos em cegueira) os coloque a ver a miséria que este país se encontra, não só de valores como tantos outros..... Pensem nisso...

 
At 5:56 da tarde, Anonymous Pilgrimando said...

Quão verdadeiras e sentidas essas palavras. Já não passava por aqui há algum tempo para te ler e reflectir contigo. Se calhar porque ando precisamente a trabalhar neste âmbito: a tentar que eu faça mais sentido para mim mesmo, a tentar sintir-me bem na pele que tenho.
Este teu post foi hoje recebido como um alerta .outro. de que este terá de ser o caminho. Por mais que doa, por mais que amachuque e mostre fragilidades.
Olhemos por/para nós sem distracções. Não nos desculpemos com a nobre ocupação de ajudar o outro se não conseguimos fazê-lo em relação a nós próprios. Coloquemo-nos em posição central e gritemo-nos. Ouçamo-nos e aprendamos a compreender e a amar o que escutamos para que, de peito aberto, amemos e ajudemos o outro.
Não acusemos os outros mas não devemos acusar-nos também só porque não vimos o que agora parece óbvio. Há tempo e é tempo. Ainda.
Um abraço bem forte

 
At 9:18 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Excelente texto, e verdade que tudo tem de começar em nós próprios, mas que não é fácil não é, mas impossível é que de certeza não é.

 

Enviar um comentário

<< Home