Essencia de Mulher

Um blog para mulheres e homens de mente aberta

terça-feira, abril 17, 2007

Terceira Reflexão (1ª Revelação)


"O Universo responde à nossa consciência e às nossas expectativas, criando as oportunidades casuais de avançarmos"
***
"Quando tivermos aprendido a manter as nossas perguntas actuais no primeiro plano da nossa consciência e a fazer as perguntas certas, então saberemos que uma coincidência é uma resposta a um movimento arquetípico, no mais profundo da nossa psique, em direcção ao crescimento."
***
"Segundo o pensamento de Jung, no momento em que ocorrem acontecimentos coincidentes, parece existir uma modificação presente no campo consciente e no inconsciente. Tal como quando ora se sobe ora de desce num balancé, a coincidência diminui, por um instante, a atenção da energia psíquica consciente, trazendo à superfície o material inconsciente procedente das profundezas primitivas."
***
"As coincidências verificam-se mais facilmente quando nos encontramos num estado altamente expectante. A maior parte da literatura esotérica diz que uma combinação de carga emocional e imaginação vívida estimula a capacidade de atrairmos para as nossas vidas aquilo que desejamos."
***
Sinais externos:
" Os sinais externos podem ser qualquer coisa como dar seguimento a uma mensagem perdida, que aparece de repente por cima da sua secretária, ver uma informação no jornal que está relacionada com um interesse novo ou um novo rumo na sua carreira, um desvio, qualquer alteração de planos... nem tudo tem uma mensagem especial para si, mas, ao tornar-se mais aberto a estas "pequenas portas", a sua sensação de aventura aumenta."
Sinais internos:
"Nos próximos dias, comece a reparar nos sinais internos que surgem em diferentes situações, tais como contrair o pescoço ou o estômago, cerrar as mandíbulas, perda de energia, respiração pouco profunda, bater levemente com os dedos, cruzar os braços ou as pernas ou sentir irritação por causa de sons. (...) Uma boa política é não tomar decisões importantes quando se está zangado, com pressa, frustrado, cansado ou em qualquer outro estado de espírito negativo. Se está a ser entrevistado para um novo emprego e um determinado ambiente de trabalho o faz sentir imediatamente irritável, receoso ou apático, trata-se, provavelmente de um sinal de instisfação futura."
***
" Continue a centrar-se no que quer, e não naquilo que não quer."
in "A Profecia Celestina, Um Guia Experimental" de James Redfield e Carol Adrienne
***
Temos vindo a falar da importãncia das "coincidências" . As "coinciências", podem aparecer para nos chamar a atenção de certas coisas, no fundo tudo o que é exterior a nós funciona como um espelho do nosso interior. Penso que é importante olharmos bem à nossa volta, vermos que situações e pessoas estamos a atrair para a nossa vida e procuramos aì o que seria importante mudar no nosso interior. Quando pensamos nessa mudança devemos defini-la bem, devemos estar absolutamente crentes que ela é possivel. Muitas vezes rodeamos os nossos desejos de dúvidas e medos, o que é difícil depois para o Universo descodificar e mover tudo a nosso favor. Por exemplo: supondo que queriamos muito ter um... Ferrari... num dia queremos que ele seja amarelo, no outro encarnado, pensamos tambem que não temos qualquer hipotese que isso aconteça, sentimos que de alguma forma não somos merecedores, sentimos que afinal de contas nem temos aptidões para guiar um carro desses... nesses casos as coisas não acontecem. Na minha experiência pessoal, tudo o que realmente eu quis com determinação, fé, aconteceu-me, mas nem sempre estamos preparados para isso. Muitas vezes para atingirmos objectivos há que fazer uma série de "limpezas" interiores, e é melhor nesse caso irmos por partes. Outra coisa que é extremamente importante, é nos nossos desejos nunca intreferirmos na vida de ninguém, ou seja, não devemos querer o cargo de um emprego já ocupado por alguém, ou fazer com que uma pessoa goste de nós. É possivel fazer isso mas há que ter em atenção que a lei do retorno existe e se hoje tiramos o emprego a alguém porque o queriamos muito, amanhã pode-nos acontecer o mesmo. É importante vermos realmente o que queremos, tentar sentir como se isso já estivesse a acontecer, e manter firmeza nesse propósito. Tentar fazer sempre afirmações no presente e na positiva, o cerebro humano não descodifica a palavra não, e tentarmos visualizar tudo a acontecer, com todos os promenores até de sons, cheiros, emoções sentidas.Depois ir esperando pelas coincidências, que nos podem guiar. Temos direito à felicidade, mas só nós podemos contribuir para isso. Nós criamos a nossa própria vida. Porque não tentar com uma pequena coisa? Não precisamos de viver obcecados com o que queremos, aliás se pensarmos muitas vezes podemos correr o risco de intoduzir "poluentes" nos nossos propósitos, como o medo e a dúvida, mas temos de ser firmes e persistentes!

18 Comments:

At 10:35 da tarde, Blogger Margri said...

Este texto está muito rico de informação, e por isso se torna mais complicado de assimilar e comentar (ando há vários dias para o fazer).

Vou pegar num ou dois aspectos que mais me interpelaram.
Atraímos para a nossa vida situações e pessoas, segundo o nosso mundo interior: ainda não há muito tempo que me dei conta disso, mas reparando bem, acho que é realmente um facto; pode levar algum tempo para mudarmos aspectos da vida a partir do nosso interior, mas é certamente mais seguro que mudar apenas o exterior.
É claro que as dúvidas e a incerteza do que se quer atrapalham tudo, como bem explicas. O nosso subconsciente é como um computador: faz quase tudo o que lhe mandam, mas é incapaz de raciocinar, de distinguir o que é bom do que é mau para nós.

Há ainda outro aspecto que gostaria de comentar:
Diz a Profecia Celestina (ou o guia) que as coincidências se verificam mais facilmente quando estamos expectantes, e que a carga emocional ajuda a atrair para a nossa vida o que desejamos; eu concordo, mas desde que essa carga emocional e expectativa não se revistam de ansiedade e impaciência; estas impedem a serenidade e as ondas alfa, importantes também como adjuvantes.

E fico-me por aqui, que o comentário já vai longo.

Um abraço

 
At 11:21 da tarde, Blogger greentea said...

curiosamente , ando a ler um livro em que uma tia minha descreve a peregrinação que fez de Fátima a Roma a pè, sózinha empurrando um carrinho de bebe com as suas bagagens,,,

No seu dia a dia , defrontava-se com dilemas como por onde seguir, onde dormir , devia ouvir o conselho deste homem e outras pequenas -grandes coisas. Decerto não teria lido a Profecia Celestina, apesar de ser uma mulher culta para a sua época. Na dúvida entregava-se ao seu Anjo da Guarda, deixava-se ir e todas as suas situações foram sempre resolvidas. Por vezes era obrigada a parar , normalmente fazia uns 20 Kms por dia e tinha os pés feridos ou muitas dores nas articulações - o carrinho avariava-se e tinha de esperar que o reparassem ;
ou ficava sem dinheiro como qd chegou a Barcelona e o familiar que lhe devia dar uma quantia estava de férias mas no dia seguinte uma Instituição deu-lhe a quantia q ela precisava ...
e por ai adeante, até era "avisada" de qd devia sair de uma estrada ou de um local onde pernoitava...
Porque a questão está só no nome Anjo da Guarda ou entidade, ou amigo invisivel tudo vem a dar no mesmo - importante é a crença!!

 
At 3:05 da tarde, Blogger Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras said...

Não imaginas, como o teu texto de hoje foi importante para mim. Creio que pela primeira vez consegui identificar um sinal.
Obrigada pela partilha e pela muita informação que nos dás.
Um beijinho
Bom fim de semana

 
At 11:27 da tarde, Blogger Jardineira aprendiz said...

Ao ler este texto ocorreu-me uma questão que talvez nem seja a mais adequada a este assunto, mas que me ocorre frequentemente: não teremos nós muitas vezes a tentação do aprendiz de feiticeiro? Não quereremos nós alcançar coisas para as quais não adquirimos sabedoria? Porque há pessoas para quem o conhecimento e o poder não são acompanhados pela sabedoria. É claro que não estou a falar na simples busca da felicidade, porque para essa não é necessário poder. Estou a falar em muitos outros objectivos, que muitas vezes achamos necessário alcançar para atingir a felicidade e que no fundo acabam por ser um engano. É claro que se vamos discutir o conceito de felicidade nunca mais saímos daqui!

Lembro-me de uma ideia que sempre prevalecia nos livros de Herman Hesse e que me parece ser comum às filosofias orientais - deixar fluir. Reconhecer, talvez, mas influenciar o curso dos acontecimentos?

Agora fiquei a pensar porque não gostei da Profecia Celestina (!) Talvez esta seja uma das razões.

Mas este post está muito interessante!

Um beijo

 
At 12:54 da manhã, Blogger Borboleta said...

Sou de opinião que realmente devemos deixar a vida fluir...conscientemente. Quero eu dizer com isto que, devemos traçar os nossos objectivos, e encara-los de forma positiva, lutando por eles. Não devemos, no entanto, ficar obececados, forçar situações e viver em função disso. Devemos, sim, ir vivendo no dia-a-dia, estando atentos aos sinais que nos vão aparecendo. Se não estivermos sintonizados, as coisas que tanto queremos não acontecem, porque provavelmente não encaramos a vida da melhor forma. Eu tenho deixado fluir as coisas na minha vida, e elas com o tempo, vão aparecendo, devagar, quando menos espero:) Acontecem coisas maravilhosas quando estamos com a moral para cima, com esperança na vida, e sobretudo, quando gostamos e agradecemos a vida que temos.
Bj esvoaçante.

 
At 4:12 da tarde, Blogger EuMulher said...

Margri... peço desculpa, possivelmente foi muita informação de uma vez. Eu tenho dado conta que quando mudamos algo em nós, parece que tambem mudam as pessoas que nos rodeiam. Em varias fases da minha vida por exemplo vi muitos amigos desaparecerem, sem motivo aparente. Hoje inclino me simplesmente para o facto de ja nao se indentificarem comigo nem com a minha forma de ser e estar. Falando da outra questao, o ser expectante, penso eu que passa pelo facto de colocarmos alguma pergunta ao Universo e ficarmos atentos a uma resposta. Claro que se pusermos uma carga emocional de impaciencia de ansiedade de duvidas ficarmos obcecados... isso nao ajuda em nada Tudo isto que eu escrevo não têm de ser consideradas verdades absolutas. Para mim fazem sentido e de alguma forma à medida que as vou experimentando na vida parecem funcionar. Um abraço e obrigada pelo comentario.

 
At 10:51 da manhã, Anonymous pilgrimando said...

É verdade que as coincidências não existem, que não são mais do que uma sequência de acontecimentos que o universo nos prepara para percorrermos determinado caminho de crescimento. O problema é que passamos vidas inteiras a fugir à frente do ponteiro dos relógios sem que verdadeiramente pearemos para olhar para dentro de nós; para percebermos qual é o medo que nos coalha a acção. Fazê-lo dá muito trabalho e faz-nos enfrentar fantasmas que comodamente arrumámos numa qualquer gaveta de uma qualquer cómoda premeditadamente votada ao abandono e ao pó.
Mas não podemos ignorar o facto de que a vida e o universo conspiram a nosso favor, obrigando-nos, em determinado momento, ainda que a muito custo e muito frequentemente movidos pela dor, a ultrapassar um determinado medo ou obstáculo. Surpresa das surpresas… nesse momento, pela primeira vez, percebemos que a nossa vida se tornou uma construção frágil alicerçada com base em meias verdades e mentiras completas que visam ocultar as nossas fragilidades. Sim, porque na nossa sociedade ainda é crime ter fragilidades e problemas para resolver…
Esse é O momento. O momento em que as estruturas abatem e as meias verdades caem. Depois resta-nos deixar cair a casa. Não podemos/devemos deitar a matéria fora e substituí-la, mas urge, sem dúvida, limpar-lhe o pó e reestruturá-la: atribuir-lhe o(s) nome(s) certo(s) para que depois e de forma gradual se retome uma forma sólida e robustecida que assente na essência do que somos. Por etapas… lentas mas consistentes que todos conhecemos.
Essência de mulher, como tinha saudades de te ler e partilhar ideias. Tudo por causa do terrível ponteiro do relógio que me persegue… Mas hoje fintei-o! Continuação de um bom dia.

 
At 9:55 da manhã, Blogger greentea said...

deixei-te um destaque no meu blog

beijinhos

 
At 12:55 da tarde, Blogger EuMulher said...

greetea, penso que sei um pouquinho muito pequenino do que estas a falar. Eu já fiz duas vezes o caminho de Santiago e sei as aprendizagens que fiz, as surpresas que tive, as coincidências que observei... No fundo tudo parecia fazer um sentido enorme. Quando se vai em peregrinação nas circusntancias em que foi essa tua tia concerteza que tudo deve ter tido uma dimensão bem diferente. Penso que todos nós temos experiências incriveis a contar e quanto mais tomamos consciência de certas coisas parece que cada vez mais vamos notando a sincronicidade da vida. Um beijinhos para ti

 
At 1:02 da tarde, Blogger EuMulher said...

Tita...fiquei muito contente ao ler o teu comentário. é bom quando sentimos que estamos a fazer algo por alguém.É muito gratificante.Uma vez estive para deixar de escrever no blog, e alguém me disse para não o fazer porque muitas vezes ao ler o que eu escrevia parecia sempre encontrar alguma resposta para certa questão que punha, Claro que nem todos que passam por aqui levam alguma mensagem, mas alguma das minhas mensagens possivelmente serve sempre para alguém. Tal como todos os que escrevem em blogs. Não "caímos" ao acaso em certo blog em determinada altura. A mim já me aconteceu isso.Gosto de partilhar o que me vai sendo dado a conhecer, e gosto muito de trocar ideias. É sempre uma forma de caminharmos um pouco mais além.Um grande beijinho e qualquer duvida que quiseres expor esta à vontade. Se me quiseres escrever para o mail concerteza que te responderei com muito prazer.

 
At 1:22 da tarde, Blogger EuMulher said...

jardineira aprendiz Concordo contigo. Já vi muitas pessoas as quais lhes foi dado certo tipo de conhecimentos e que foram tomadas pelo ego e acabaram por fazer mau uso deles. Tambem penso que so nos é dado a conhecer o que estamos preparados para entender. Mesmo essas pessoas que querem à viva força adquirir conhecimentos para seu proprio beneficio acabam mais tarde ou mais cedo por se enredarem na sua propria teia e alguns "morrer" com o seu proprio "veneno". Repara... para ti nao fez sentido a profecia celestina possivelmente porque as tuas necessidades de evoluçao sao diferentes. Ainda bem que assim é. Todos temos caminhos distintos e no todo é que está a grande sabedoria. O saber respeitar e aceitar a maneira de cada um é que para mim sera o mais importante. O que exponho aqui são simplesmente assuntos para poderarem, estao longe de ser verdades absolutas. Para mim nao existem verdades absolutas. Cada um tem de sentir o que esta de acordo consigo, mas tambem deixando abertura para novas situaçoes.Tens razao... a felicidade tambem é tao relativa de pessoa para pessoa e nao existem receitas, muito menos se as buscarmos no mundo exterior, acho eu. Uma pessoa sabia não é aquela que detem o maior numero de conhecimentos, para mim esta longe disso. Mas uma coisa eu sinto, e tens razao sobre isso, ha que deixar fluir mas nem para isso estamos preparados. Temos sempre tendencia para intreferir demais, e sempre confundimos a acçao com a reacção. Na maior parte das vezes reagimos e nao agimos pura e simplesmente. Deixar fluir muitas vezes tem dessas coisas. Não é ficarmos de braços cruzados, não é reagir, mas agir quando assim achamos que o devemos fazer. Para mim esta não é uma situaçao nada facil de pôr em pratica.Não é bom quereremos ser aprendizes de feiticeiros aí ja estamos a por ao de cima o ego e a vontade de termos poder. Ha sim que aproveitar o que nos foi dado, dai a importancia do autoconhecimento o que nos vai sendo dado a conhecer, e de uma forma consciente po lo ao serviço de um bem maior e acima de tudo nao esquecermos a humildade. Beijinhos

 
At 1:30 da tarde, Blogger EuMulher said...

borboleta... como disse no comentario que fiz atras, nem sempre é facil pura e simplesmente deixar fluir. Muitas vezes somos pressionados em muitas direcçoes o que faz crescer em nos uma certa ansiedade e faz com que fiquemos "cegos" para as tais coincidencias. Penso que ajuda a tomar consciencia de que se estivermos serenos e conscientes que tudo vem na altura certa, e que tudo vem a partir do nosso interior isso ajuda. Por vezes até não! Quando temos revezes na vida e temos essas consciencias e nao somos capazes de serenar as vezes surge um certo sentimento de culpa. Tudo isso requer muitas persistencia, muita fé, um certo sangue frio para abraçar a aceitação.Concordo contigo... devemos sempre agradacer tudo o que temos.Um beijinho.

 
At 1:48 da tarde, Blogger EuMulher said...

pilgrimando...fiquei muito feliz por te ver aqui de novo. Lutar contra os nossos fantasmas, os nossos medos, as nossas duvidas, não é tarefa nada facil.Por vezes quando começamos a mexer em certas coisas vamos descobrindo cada vez mais mas ja nao se torna possivel andar para trás. Ha que fazer a "limpeza" que muitas vezes nos da a sensaçao que estamos pior que nunca e muitas vezes desejamos nunca ter começado esse processo. Mas o que é certo é que vale apena, que acabamos por sair de tudo isso muito mais fortes, muito mais capazes . Temos sempre a tendencia para adiar essas limpezas mas tal como tu dizes o Universo conspira e não da treguas. Ele sabe o que é melhor para nós e não nos vai deixar ficarmos de braços cruzados. Por vezes so aprendemos a reagir atraves da linguagem do sofrimento. Às vezes pensamos que pudemos colocar remendos aqui e ali... mas muitas vezes há que deitar tudo abaixo e recontruir de novo.Senao arriscamos nos a que tudo nos cai em cima e nos magoe ainda mais.Não te percas muito a olhar para o relogio... sempre que o faço e quero fazer tudo para bater records é quando tenho de voltar ao principio. Respeita o teu ritmo, o teu tempo, tenta escutar te mais a ti do que aqueles que te rodeiam. Quantas vezes ouvi: ja podias ter feito, ja devias ter aprendido, já não devias cometer esse erro, ja estas farta de saber que nao é assim, faz por ti alguma coisa,ja sabes o suficiente para fazer muita coisa etc etc etc... sabes... ja cheguei à conclusao que as coisas so aparecem, so aprendemos quando ja estamos preparados. Quis muitas vezes mostrar aos outros que ja conseguia certas coisas, fiz muitas coisas para satisfazer os outros e para que nao me moessem a cabeça... que parvoice tao grande!!! Tudo a seu tempo! Não devemos cruzar os braços, principlamente numa atitude de nos fecharmos as coisas,de nos sentirmos culpados e burros porque nao conseguimos sair de uma situaçao mas as coisas caem do ceu, o nosso trabalho é so criarmos dentro de nos um campo fertil para receber essas dadivas.Criarmos serenidade e confiança. Um grande beijinho para ti! Muito obrigada por teres vindo .

 
At 10:12 da tarde, Blogger Jardineira aprendiz said...

A minha questão com a profecia celestina nem é o não fazer sentido. Na realidade agora já nem me lembro exactamente o que foi, e já pensei em ir 'desenterrar' o livro e lê-lo novamente, porque já tive muitas discussões interessantes em que vinha à baila. Mas lembro-me que algo me incomodou nele, o suficiente para parar de o ler e o arrumar. Lembro-me da sensação de que algo não batia certo, mas agora não consigo identificar o quê. Pelo contrário, na discussão que venho acompanhando aqui náo tenho essa sensação.

Talvez tenhas razão que os nossos caminhos são diferentes, nem todos temos as mesmas capacidades. Muitas vezes sinto que as minhas capacidades intuitivas não são grande coisa, talvez por isso tenda a desconfiar delas! E por aquilo que disseste acerca da diferença entre agir e reagir, para isso também é preciso sabedoria. E essa vem das fontes mais inesperadas!

Beijinho!

 
At 11:34 da tarde, Blogger EuMulher said...

jardineira aprendiz,já me aconteceu com alguns livros compra los porque na altura pareciam que me diziam alguma coisa e so le los passado algum tempo. Curioso que com o manual da profecia foi assim. Fiz varias tentativas e nao conseguia avançar. Numa altura em que procurava outro livro nas minhas prateleiras e que nao encontrava os meus olhso fixavam se sempre no manual. Como queria ir deitar me e levar algo para ler foi o que trouxe para a mesinha de cabeceira, Curioso que dois dias depois o livro que procurava estava la bem perto do Guia. Comecei a ler o guia e entusiasmei me e acabei por nao entender porque nao me tinha entusiasmado assim nas outras tentativas para o ler. Penso que nao estava preparada.Nao temos as mesmas capacidades, mas a maioria podemos desenvolver se assim sentirmos necessidade. Eu nao validava muito as minhas intuiçoes ate um dia estar a fazer um tratamento de Reiki e so me vinham à "cabeça" imagens de cavalos e achava que ate estava a fazer mal a terapia e aquilo incomodou me no fim dei comigo a perguntar à pessoa se cavalos faziam algum sentido para ela. Mas a pergunta saiu do nada. A pessoa respondeu me que estava a acabar o curso de veterinaria, que ia no dia seguinte ter o ultimo exame para o qual estava nervosa e que queria seguir uma especializaçao em cavalos, Fez se entao um clic, comecei a validar mais as "imaginaçoes" que me vinham à "cabeça" e muita coisa batia certo.No fundo comecei a perder o medo e a distinguir entre imaginação e intuição. Mas não foi facil chegar aí. Por vezes "vejo" coisas que logo ao principio ate podem nao fazer sentido as pessoas mas mais tarde venho a verificar que ate fazem, outras acabo por nao saber.Nós reagimos mais do que agimos. Penso eu. Faz parte das nossas defesas, do modo como fomos criados, de crenças.... Se numa discussao conseguissemos ficar sempre como expectadores talvez as coisas acabassem por ser mais leves. Mas acabamos sempre por reagir e nao esperar o tempo suficiente para vermos as coisas a frio e entao agir. Como nestas circunstancias muitas outras sao assim. Beijinhos.
P.S é bom discutir estas ideias tenho alguma pena de nao aparecerem mais pessoas a dar os seus testemunhos mas ja vamos percendo mais coisas. Eu tenho aprendido com vocês. Muito obrigada.Quem sabe se pegares no livro novamente descubras essa sensaçao negativa que tiveste e entendas porquê. Ou até já o encares de outra maneira e ate vejas coisas que eu nao vi.

 
At 11:22 da tarde, Blogger oceanus said...

Cada um de nós reage a determinada vibração, ou estimulo, como achares melhor. Ás vezes um livro outras uma melodia, um perfume, uma pessoa, ou até mesmo a um momento. O que nos desperta? O que nos faz reagir? Acho que a resposta está dentro de nós, por isso é tão importante fazer silêncio e ouvir o nosso próprio ritmo.Por isso é importante parar e respirar correctamente. Nem sempre é fácil, nem o momento certo, é verdade. Comigo isso também acontece.

Gosto muito das tuas reflexões, agradeço e muito a tua partilha.

abraços do Oceanus

 
At 11:53 da manhã, Blogger EuMulher said...

Oceanus... tambem gosto muito dos teus comentarios e agradeço te que os faças Penso ser importante toda esta troca de ideias, de modos de sentir. Todos nós temos reacçoes diferentes. Ao presenciarem uma mesma situação em fracções de segundos duas pessoas podem pensar, sentir coisas bem diferentes. Até mesmo quando lemos um livro ou vemos um filme pela segunda vez a mensagem pode ser bem diferente. Lembro me ha uns tempos atras de ter ido ao cinema ver uma comedia e enquanto as pessoas davam gargalhadas eu desfazia me em lagrimas. Penso que o filme era qualquer coisa como "um sogro do pior"( sou péssima a fixar nomes de filmes). Lembro me que um personagem fazia de tudo para agradar o sogro e tudo lhe saia ao contrario. Essa situaçao, naquela altura incomodou-me. Voltei a ver o filme mais tarde, não que tenha rido assim muito mas pelo menos não chorei. Talvez da primeira vez estivesse fragilizada no sentido de tambem eu procurar dar o meu melhor e sentir que isso me estava a levar para o sentido contrario.Tambem sei que não é facil encontrarmos o nosso ritmo nem as vezes parar um pouco para nos escutarmos. Mas com certas noções que vamos adquirindo, e uma certa persistencia penso que as coisas tendem a melhorar.Um grande abraço para ti!

 
At 4:47 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Identifico-me com muitas destas histórias....deixar a vida fluir...não querer o emprego de alguém porque mais tarde, alguém há-de querer o meu.. e já aconteceu...não querer o amor de alguém se esse alguém não me ama. Sim tudo isso é verdade, no entanto, não é fácil quando nos sentimos completamente sozinhos e não vimos a nossa vida avançar, não ter um emprego estável, não ter uma companhia, não ter isto não ter aquilo. Todos os dias penso que não devemos ter sede do futuro mas viver o presente, fazer com que cada dia conte, mas não é fácil....

 

Enviar um comentário

<< Home